Cosmovisão

Natal: 5 assuntos importantes para falar com nossos filhos

Natal: 5 assuntos  importantes para falar  com nossos filhos

Cadastre seu e-mail e receba com prioridade nossos conteúdos

Eu particularmente amo o natal… juntar a família, jantar naquela mesa bonita, o amigo secreto, os presentes debaixo da árvore, etc…

Lembro com carinho de todas os natais que passávamos em família. Nem sempre montávamos árvore de natal, mas sempre participávamos das festas de natal da igreja com belas músicas e cantatas e com o culto que acontecia normalmente no dia 25. O jantar bonito e recheado que íamos na casa de minha tia, a descoberta dos amigos secretos, as conversas entre as famílias, a meditação na Palavra sempre conduzida pelo meu avô ou meu tio, as músicas cantadas em louvor a Deus e a lembrança do que estávamos fazendo ali… além da comida, dos enfeites e da comunhão….

Provavelmente a essa altura, você já esteja com toda a programação pronta, a mil por hora com as arrumações, rotinas, presentes ainda para comprar… e outras coisas.

Normalmente no natal, as pessoas se organizam para entregar cestas, para viver o “espírito do natal” e ajudar outras pessoas. De uma certa forma, somos chamados a deixar as ofensas de lado e nos reunirmos, mesmo que seja naquela data.

E em tese, não há nada de errado nisso, mas o problema é quando colocamos uma data, como foco, uma festividade como centro, como se aquele momento fosse mágico ou que requeresse um comportamento diferente nosso…

E gostaria de refletir sobre algumas coisas, em relação ao nosso comportamento em relação a esta data e aos nossos filhos:

1 – O que é o Natal para nós, cristãos?

Na antiguidade, o Natal era comemorado em várias datas diferentes, pois não se sabia com exatidão a data do nascimento de Jesus. Foi somente no século IV que o 25 de dezembro foi estabelecido como data oficial de comemoração. Na Roma Antiga, o 25 de dezembro era a data em que os romanos comemoravam o início do inverno. Não existe uma data certa para o nascimento de Cristo…

Para nós, no natal, apesar de não ser uma data precisa, é comemorado o nascimento de Jesus, o verbo que se fez carne e habitou entre nós, o filho de Deus que cumpriu toda a lei em nosso lugar, para que pudéssemos ser justificados diante do Pai e receber assim a absolvição e sermos salvos!

Precisamos ensinar isso aos nossos filhos, não apenas no natal, mas em todos os dias do ano!

Claro que o Natal acaba sendo um marco e claro que podemos dar ênfase a isso, mas lembre-se que a nossa salvação nos foi concedida por meio do nascimento, vida, morte e ressurreição de Cristo e precisamos ensinar isso aos nossos filhos diariamente em nossas casas – no culto doméstico!

Precisamos diariamente evangelizar os nossos filhos! Fazer isso uma vez por ano, não trará mudança para a vida deles! Lembre-se que fomos colocados por Deus como responsáveis por conduzi-los de volta à Ele e seremos cobrados disso no ultimo dia!

2 – É errado ensinar aos nossos filhos sobre papai noel?

A lenda de papai noel nasceu no século IV. O personagem foi inspirado em São Nicolau, arcebispo de Mira na Turquia. Nicolau costumava ajudar, anonimamente, quem estivesse em dificuldades financeiras. Colocava o saco com moedas de ouro a ser ofertado na chaminé das casas.

Ele era muito conhecido por ajudar os pobres e secretamente dar presentes para os necessitados. Todos nós poderíamos aprender muito com seu exemplo de generosidade e bondade. Conta-se que quando seus pais ricos morreram lhe deixaram seu dinheiro, como ele não queria desperdiçá-lo, decidiu dar para os necessitados. 2Coríntios 9.7 diz: “Cada um contribua segundo tiver proposto no coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria”.

Portanto, não é errado ensinar aos nossos filhos sobre a história do verdadeiro papai noel. Entretanto, tenha cuidado para não usar, como outros, o papei noel para manipular seus filhos.

Quando você está numa fila de loja nesta época do ano, muitas vezes você ouve os pais dizendo: “É melhor você se comportar, senão o Papai Noel não vem”. Fico louca quando ouço isso – esse é o jeito de “não sermos pais”! Não podemos usar manipulação para fazer nossos filhos se comportarem, e de qualquer forma, isso só funcionará para o mês de dezembro; e os outros onze meses do ano?! Não devemos dizer coisas desse tipo por estarmos com vergonha de seu comportamento ou porque estão “fazendo birra” e não queremos nos aborrecer lidando com isso adequadamente. Precisamos estar sempre treinando nossos filhos a se portarem com retidão, não a se comportar por causa do Papai Noel. Lesli White diz: “Nunca devemos promover um mito para promover uma forma de moralismo que não seja consistente com os ensinamentos de Cristo”. Não podemos ensinar a eles que ao se comportarem externamente receberão coisas. Nossa paternidade precisa desafiar seus corações pecaminosos e rebeldes.

De alguma forma, pensamos que, se mentirmos pelos motivos “certos”, tudo estará bem, então, tudo bem dizer aos nossos filhos que Papai Noel vem na véspera de Natal para entregar seus presentes, não estamos machucando ninguém, então deve estar tudo bem. A Bíblia pensa o contrário: “Quem quiser gozar a vida e ter dias felizes não fale coisas más e não conte mentiras”. (1Pe 3.10, NTLH). Falar aos nossos filhos sobre o Papai Noel não é de forma alguma malicioso, mas é mentira.

Além disso, um dia eles descobrirão que ele não é real; ele ainda não está vivo ou morando no Polo Norte; então, uma vez que eles descobriram isso, como eles vão distinguir entre o Papai Noel e Jesus? Se você disse a eles que Papai Noel é real e alguns anos depois eles descobrem que ele não é, eles podem pensar que o mesmo seja verdade em relação a Jesus. Temos que ter muito cuidado porque as mentes pequenas são muito impressionáveis.

Se vamos ensinar aos nossos filhos o real sentido do natal, não faz o menor sentido motivarmos, estimularmos ou acharmos bonitinho eles acreditarem em Papel Noel. Ensinamentos como esses trarão apenas confusão para a cabeça deles.

Eles precisam aprender desde pequenos o que é o natal: Nascimento de Cristo, do Messias, prometido ao povo judeu, depois da queda, que veio para nos salvar, através de sua vida, morte e ressurreição! Não há espaço para fábulas! E se ele lhe perguntar do Papai Noel, explique que é uma fábula, uma invenção dos homens para tornar a data mais atrativa comercialmente. Alguns poderiam me perguntar “com que idade?” Desde que eles forem bem pequeninos!

Algumas pessoas são terrivelmente contra os papais noéis. Não vejo muito mal, se ficar claro que é apenas um personagem, mas evita-los em casa, por exemplo, é sempre melhor, para não trazer confusão.

3 – Devo dar presentes de Natal?

Seus filhos recebem presentes de natal? Algumas famílias optam por não dar. Se você faz isso, só não diga que foi Papai Noel que deu. Aqueles que não dão, tudo bem. Seu filho pode perguntar porque tantos ganham e ele não, e não há problema algum nisso, apenas converse e explique a decisão que vocês tomaram.

Muitas vezes, apesar de não concordarmos muito em fazer uma coisa ou outra, nos moldamos ao restante do mundo, porque ficamos com pena de nossos filhos ou não queremos ser diferentes.

Não tema em ser diferente! Tema ser igual ao resto do mundo! Fomos chamados para agir de forma diferente mesmo, da forma que agrada a Deus. As pessoas vivem suas vidas de forma alheia à presença de Deus, rebeldes, desobedientes, escarnecedores… Não nos envergonhemos do evangelho, (Romanos 1:16) pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê.

4 – O que é o “Espírito natalino”?

Muitas pessoas falam sobre o espírito natalino e isso se torna praticamente uma idolatria, como se nós devêssemos mudar por conta da data.

Na verdade, a nossa busca deve ser diária, por buscar uma vida de adoração e louvor a Deus. Devemos buscar todos os dias o espírito natalino:
– transbordar de amor pelos que estão a nossa volta;
– ajudar e cuidar dos mais necessitados, principalmente dos órfãos e viúvas
– pregar o evangelho aos perdidos;
– dar, porque dar é sempre melhor que receber;
– perdoar aqueles que nos ofendem, afinal, somos chamados, desde o velho testamento, a amar ao nosso próximo como a nós mesmos e, no novo testamento, a amar o nosso inimigo!

NÃO APENAS NO NATAL!

Mas as pessoas vivem uma vida totalmente à parte de Deus e, no dia de natal, querem se revestir do espírito natalino, para fazer o bem, que são chamados a fazer todos os 365 dias do ano.

Cuidado para não se pegar pensando, agindo, ou falando assim! Não é que você não possa fazer o bem no natal, mas não faz sentido fazer apenas no natal, entendeu?

5 – Comemorações de Natal

Como disse, amo o jantar a reunião de família e tudo o mais, mas não perca a oportunidade de fazer menção ao verdadeiro sentido desta data. Se for na sua casa, programe-se para, antes da ceia, quando as pessoas chegarem ou depois da ceia, pedir uma palavra e falar do quanto este dia é importante por se tratar do dia em que celebramos, de forma mais específica, o dia em que Deus cumpriu a sua promessa, enviando o messias, o prometido que nos livraria da escravidão do pecado – nos conduzindo para a vida!

Se for na casa de outra pessoa, pergunte se há essa oportunidade, e se prontifique a falar; se forem irmãos em Cristo, proponha o momento. Seja canal de benção!

Se não houver oportunidade, converse com sua família e ministre ao coração de seus filhos! Eles podem curtir estar ali em família, mas devem estar lembrados, cientes e prontos a serem usados como instrumento de Deus para responder a qualquer um que lhes perguntar sobre o que é o natal.

Que este natal possa ser mais um dia para celebrar o nascimento de Cristo! Que o louvor esteja nos nossos lábios e na boca de nossos filhos! Que seja mais uma oportunidade de ministrarmos aos seus corações e de proclamarmos a Verdade do Evangelho que nos traz vida e salvação!

Que NADA possa nos afastar de celebrarmos a Verdadeira VIDA!

Andressa Oliveira – Diretora Eccoprime

Hello,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cadastre seu e-mail e receba com prioridade nossos conteúdos