Educação

O perigo que há por trás de "brincadeiras" de mudança de gênero na internet

O perigo que há por trás de

Cadastre seu e-mail e receba com prioridade nossos conteúdos

No início deste ano, o Conselho Regional de Medicina reduziu a idade mínima para o início de terapias hormonais de 18 para 16 anos e definiu regras para o uso de medicamentos de bloqueio da puberdade.

O número de cirurgias de redesignação sexual ou transgenitalização, conhecidas popularmente como cirurgias de mudança de sexo, aumentou em quase seis vezes, de 10 para 57 operações por ano, nos dez anos em que o (SUS) Sistema Único de Saúde passou a cobrir o tratamento para pessoas transexuais. A quantidade de prescrições de hormônios deu um salto expressivo, de 171 para 1,9 mil entre agosto de 2008 e 2017.

Nos EUA, a ministra Penny Mordaunt, investiga porque o número de meninas querendo mudar de sexo, aumentou em 4000%.

A mudança de sexo em crianças também cresce vertiginosamente. Famílias confusas têm buscado terapia e ajuda para mudança de sexo. E, pasmem, a criança mais nova cuja família deu entrada nesse programa tinha 4 anos. Iniciam com acompanhamento psicológico e nos primeiros sinais da puberdade, começam a bloquear os hormônios que acentuariam a sexualidade escolhida por Deus.

Filmes e minisséries, novelas e até desenhos animados com personagens de sexualidade duvidosa, a introdução da ideologia do gênero dentro das escolas, e agora “brincadeiras” em aplicativos para que você possa se ver como no sexo oposto.

É impressionante perceber como o inimigo é sutil, e como nós muitas vezes somos tolos.

Não é à toa que somos chamados a nadar contra a correnteza, a ser luz nesse mundo que jaz em trevas, a sermos sal na terra, a sermos instrumentos de benção na vida daqueles que nos rodeiam, refletindo a luz de Cristo, representando o seu amor e a sua justiça.

Precisamos ter cuidado com as modinhas que têm sido plantadas maliciosamente em nosso meio para tornar algo que é abominável diante de Deus em algo normal, comum e até engraçado.

Em Deuteronômio 22:5, através de Moisés, Deus revela Sua vontade e, dentre outras coisas, é dito claramente:
“A mulher não usará roupas de homem, e o homem não usará roupas de mulher, pois o Senhor, o seu Deus, tem aversão por todo aquele que assim procede.”

Homens e mulheres foram criados especialmente por Deus, cada um com suas especificidades para louvarem a Deus da forma como foram criados.

É abominável diante de Deus, querermos ser de outro sexo, nos vestirmos como se fossemos de outro sexo, ou mudar as características do nosso corpo, como numa brincadeira que parece ingênua, mas que reforça as atrocidades que temos visto a nosso derredor.

Busquemos sabedoria em Deus para discernir e ensinar aos nossos filhos, o certo do errado, o engraçado, do abominável e que todas as nossas ações, gestos, palavras e postagens sejam para glória de Deus!

Por Andressa Oliveira

Hello,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cadastre seu e-mail e receba com prioridade nossos conteúdos