Educação Cristã

Por que nossos filhos reclamam tanto?

Por que nossos filhos reclamam tanto?

Cadastre seu e-mail e receba com prioridade nossos conteúdos

Quem de vocês já não ouviu seus filhos reclamarem? Parece que nada nunca está suficientemente bom. Eles estão sempre achando que tudo não está como eles esperam!

A nossa geração costumava reclamar dessa forma? Ou há algo especial nesta nova geração?

Nós temos uma tendência a sermos insatisfeitos. Veja Adão e Eva no Jardim do Éden, moravam no paraíso, não conheciam a dor e se relacionavam diretamente com o próprio Deus e, ainda assim, se mostraram insatisfeitos, focando na única coisa que não estava disponível.

Então, o fato é que todos nós temos essa tendência, mas temos visto algumas características nas famílias atuais que reforçam esse sentimento de ingratidão.

  1. Há um grande valor no “eu tenho”, mas do que no “eu sou”. Uma cultura extremamente materialista, a qual leva os nossos filhos a um atitude que “nunca é suficiente”. Não basta comprar um celular, tem que ser um iphone, não basta comprar um iphone, tem que ser o mais atual… Eu tenho isso, mas meu amigo ganhou aquilo… Para onde eu vou, eu quero ter e comprar… E eu sempre quero mais. Vivemos em uma cultura que tem sido o combustível deste tipo de atitude, afastando e estrangulando a vida simples e grata.
  2. Muitas vezes, nós e nossos filhos acreditam que eles merecem tudo de bom. Incentivamos a eles a pensar assim, quando damos a eles tudo que eles querem. E, com o tempo, eles vão começar a acreditar que eles merecem. Então, pense comigo. Por que alguém deveria ser grato por receber algo que ela já merece? Por que você deveria ser grato por um brinquedo que outros têm melhor? Por que eu devia ser grato em ir para o cinema uma vez por semana, quando eu acho que eu mereço ir duas vezes? Sem perceber, muitas vezes programamos os nossos filhos para acharem que merecem o melhor.
  3. Em muitos lares, colocamos os nossos filhos como centro de nossas vidas. Sem querer, porque o amamos tanto, permitimos que isso aconteça, na verdade, em ordem de prioridade, de acordo com o que Deus nos ensina, o cônjuge, seu marido ou esposa, são prioridades antes dos seus filhos, estes são herança do Senhor e vêm completar a família! Mas bem, quando nós colocamos os nossos filhos nessa posição, eles crescem achando que tudo gira ao seu redor e ao redor de seus problemas e, facilmente, quando isso não é percebido, eles ficam frustrados, chateados e ingratos porque as coisas não foram feitas exatamente do jeito que eles queriam. Muitas vezes é difícil para essa pessoa perceber que ela se beneficiou de tantas maneiras porque outras pessoas investiram e se sacrificaram por ela.

Mas dentro de todo esse cenário, como podemos ensinar os nossos filhos a desenvolverem corações gratos?

  1. Explique quem ele é. Ele(a) é filho(a) do Deus criador de todas as coisas. Deus, seu pai, o(a) amou primeiro e Ele controla absolutamente todas as coisas e nos promete que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus. Nem sempre viveremos situações felizes, muitas vezes haverá dor e tristeza em nosso dia, mas, com certeza, esses momentos nos farão mais fortes, nos trarão lições preciosas na vida e, apesar de não ter sido do jeito que eu esperava, eu posso me alegrar, por saber que Deus cuida de mim o tempo todo.
  2. Somos todos diferentes. Com diferentes desejos, diferentes capacidades e Deus nos conhece muito bem para saber exatamente do que precisamos. Não é porque o meu amigo foi para Disney, que eu também preciso ir. Se Deus me deu uma viagem até Fortaleza, seremos gratos pela viagem que Deus nos deu. Isso não significa que não podemos sonhar com uma viagem para Disney, e nos programarmos para ela, mas o nosso sentimento em relação ao que Deus me deu, precisa ser de gratidão!
  3. Seja SEMPRE sincero! Muitos pais criam os filhos no mundo maravilhoso de BOB. Se vocês estão passando por uma situação financeira difícil, compartilha com ele(a) sobre isso, explique que você não vai poder comprar a bolsa nova. E defina regras em sua casa. Se você entende que só deve dá presente nos aniversários. Converse e explique o porquê essa regra foi instituída na sua família.
  4. Seja exemplo. Busque ser grato. Evite reclamações, mesmo aquelas pequenas que nós nem percebemos… Sobre o tempo, trânsito, clima… E se você cair e se perceber, não hesite em pedir perdão e mostrar que o comportamento certo é de gratidão, mas que caímos às vezes, e quando isso acontecer, ele(a) pode pedir perdão, e buscar fazer certo da próxima vez!
  5. Mude o foco. A ingratidão surge devido ao foco que damos as coisas. Se olharmos para o que não temos, ficaremos tristes, mas se olharmos para tudo o que Deus nos deu, ficaremos gratos.

O sentimento de gratidão não flui naturalmente do nosso coração. Precisamos decidir sermos gratos. Olhar para o lado certo, e assim estaremos direcionando a nossa mente e coração para pensar e sentir da forma como Deus nos chama a viver.

“Em tudo dai graças, porque essa é a vontade de Deus em Cristo Jesus”.

1 Tessalonicensses 5:18

Hello,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cadastre seu e-mail e receba com prioridade nossos conteúdos