Educação

7 dicas para ajudar na adaptação escolar do seu filho

7 dicas para ajudar na adaptação escolar do seu filho

Cadastre seu e-mail e receba com prioridade nossos conteúdos

1. DÊ ACONCHEGO À CRIANÇA E MANTENHA-SE FIRME

O período de adaptação provavelmente deixará a criança mais sensível, frustrada, irritada e insegura. Por mais que seja difícil ver o seu filho enfrentando esta situação, saiba que ele está aprendendo a lidar com as suas emoções em um meio social mais amplo, o que muito importante para o seu crescimento emocional e desenvolvimento em geral. A superproteção desprotege.

Quando a criança se apresentar mais sensível e relutante a ficar na escola, é importante, por um lado acolher a angústia e mostrar-se empático a ela e, por outro, reforçar a sua confiança na escola, deixando claro que acredita que ele vai conseguir superar.

2. EXPLIQUE PARA A CRIANÇA O QUE VAI ACONTECER

Dar previsibilidade do que vai acontecer também do lado de quem leva a criança para a escola pode ser uma maneira de trazer segurança e diminuir a ansiedade.

É importante falar sobre a escola, os professores e os amigos da criança de maneira entusiasmada.

Geralmente, quando a criança não quer ficar na escola, a mãe ou o responsável indaga a criança, pressiona para que ela fale se aconteceu algo e isso pode assustá-la. Conte sobre as coisas boas, das brincadeiras, do que ela vai ver e aprender, isso transmite segurança.

Além de reforçar as coisas legais que vão acontecer na escola, converse sobre quem vai deixar e buscar, o que a mãe ou o pai está fazendo enquanto a criança está na escola é importante. Muitas vezes o imaginário da criança faz com que fantasie, por exemplo, que a mãe estará brincando sem ela.

3. ATENÇÃO À ROTINA!

A rotina é uma das percepções mais importantes dos pequenos. Para crianças mais novas, é importante que ela seja o menos afetada possível.

A rotina proporciona conforto e segurança. Se um ambiente novo é introduzido em uma rotina já conhecida, o impacto percebido é bem menor.

Para crianças um pouco mais crescidas, o mais importante é envolvê-las em todos os processos, seja arrumar a mochila para a nova escola até separar o uniforme novo no dia anterior.

Participar dessas atividades junto com os pais faz com que a criança se sinta cuidada e, principalmente, parte de tudo isso

4. ADAPTE-SE TAMBÉM

Aquela insegurança dos primeiros dias da sua primeira escola podem voltar nesse momento. Depois da conquista da confiança da criança em ser deixada em um lugar que não é familiar a ela, uma escola nova parece desmontar tudo isso. O choro na entrada da nova escola pode acontecer e, com isso, a ansiedade ao longo do dia para saber se está tudo bem volta.

Pensar em pequenas distrações para quando isso acontecer pode ajudar bastante. Sempre que bater a ansiedade, que tal ouvir aquela música favorita? Ou até sair pra tomar um ar.

Outra coisa importante: conheça e se envolva com a comunidade de pais e professores da nova escola. Conheça o ambiente, os responsáveis pelas crianças dentro da escola e fora dela.

5. DEMONSTRE INTERESSE

Se mostrar interessado pelo novo ambiente demonstra segurança à criança. Para isso, você pode utilizar perguntas instigantes como ” Qual foi a melhor (pior) coisa que aconteceu na escola hoje?”, “O que te fez rir muito hoje?”, “Qual o seu lugar favorito na escola?”, “Você ajudou alguém hoje? Como?”, “O que você acha que deveria aprender mais na escola? E o que deveria aprender menos?”, “Se você fosse o professor/professora amanhã, o que você faria?”; em alternativa ao “Como foi a escola hoje?”

Faça perguntas variadas. Explore os temas que pareceram deixar seu pequeno mais animado ao responder.

Outra coisa importante: preste bastante atenção às respostas evasivas ou quando a pergunta não tem resposta alguma. Aí podem estar os pontos problemáticos da experiência da criança na nova escola.

6. NÃO USE A ESCOLA COMO UMA AMEAÇA

A experiência dos pequenos com a escola pode até ser boa, mas pequenas associações ao longo do tempo podem mudar esse time que já está ganhando. Quando a escola que ela sempre conhecia de repente muda, isso pode vir a tona e dificultar as coisas.

Já ouviu algum pai/mãe, ou até você mesmo, usar aquela antiga ameaça diante de uma birra na saída da escola: “Se você continuar fazendo birra, vou te deixar aqui”. Percebeu que assim a escola vira um castigo?

Uma outra coisa que pode ter efeitos negativos é associar elementos ligados à experiência de ir à escola com castigos ou punições. Isso tem bastante força, por exemplo, com crianças que mudaram de período escolar, que passam a acordar cedo. Já pensou se, além disso, uma punição envolve acordar mais cedo no final de semana?

7. É HORA DE DAR TCHAU!

A segurança na forma de se despedir é primordial. A criança é muito sensível a isso e percebe quando há resistências neste adeus.

As saídas podem ir acontecendo de forma gradativa, deixe-o envolvido em alguma atividade e diga que precisa ir no banheiro, por exemplo, mas já retorna. E retorne mesmo! É fundamental que a criança entenda que não está sendo abandonada, então não diga que volta já e aproveite para sair de fininho.

Quando for a hora de sair, explique o que vai fazer, que depois de alguma atividade específica – a hora do lanche ou o momento do parque – você voltará para buscá-lo. Dito isso, vá de fato, deixe o telefone ligado que se for realmente necessário a escola entrará em contato contigo.

Cada mudança na vida das crianças é recebida de forma diferente. É impossível prever quando a resposta será tranquila ou vai demandar um pouco mais de atenção e carinho.

O mais importante, no entanto, é sempre proporcionar em casa um ambiente de segurança e acolhimento, em que a criança possa se expressar e que as mudanças internas decorrentes das mudanças externas possam ser apresentadas e, caso positivas, cultivadas ou, caso negativas, trabalhadas.

Fontes:
https://leiturinha.com.br/blog/7-dicas-para-facilitar-adaptacao-escolar/
https://leiturinha.com.br/blog/12-alternativas-para-substituir-o-como-foi-a-escola-hoje/
https://blog.casaescola.com.br/adaptacao-escolar/

Hello,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cadastre seu e-mail e receba com prioridade nossos conteúdos