Educação de filhos

Como a atividade física pode turbinar o desenvolvimento do seu filho

Como a atividade física pode turbinar o desenvolvimento do seu filho

Cadastre seu e-mail e receba com prioridade nossos conteúdos

Você sabia que há uma relação direta entre a prática de atividades físicas e o desenvolvimento cognitivo? Você sabia que quando grávidas se exercitam, os seus bebês também são beneficiados? A partir de que idade a atividade física deve ser incluída e com que frequência? Brincadeiras livres podem ser consideradas?

Conversamos com o professor Robson Furlan, especialista em ginástica infantil, para entender sobre a importância de estimular a prática de atividades físicas na infância e como podemos fazer isso de forma correta.  

Confira nossa entrevista.

A partir de que idade devemos nos preocupar em introduzir a atividade física na rotina das crianças?

Desde a barriga da mãe, a atividade física é benéfica para os bebês. Estudos comprovam que quando as mães se exercitas regularmente durante a gravidez, as crianças nascem com maior número de células no hipocampo, região do cérebro responsável pela consolidação da memória. Ou seja, além dos ganhos relacionados à saúde, a prática de atividades físicas estimula o desenvolvimento cognitivo das crianças, e essa informação ainda é pouco conhecida pelos pais, que são os principais responsáveis pelas rotinas dos filhos.

Como devemos estimular as crianças a se exercitarem de acordo com cada faixa etária?

Do nascimento até os 2 anos de idade, o ideal é que a criança seja livre. Os pais precisam deixar que elas se movimentem, garantido a segurança, claro, mas sem utilizar recursos que limitem sua liberdade de explorar. Elas precisam aprender a engatinhar sozinhas, andar sozinhas e ser expostas a experiências multissensoriais. Além disso, a partir dos 6 meses, a criança já pode participar de aulas de natação infantil, por exemplo, que é uma atividade excelente para essa faixa etária.   

A partir dos 2 anos, as crianças entram na fase motora fundamental. Dos 4 aos 5 anos, entram no estágio elementar de aprendizagem de competências motoras, entre 6 e 7, no estágio maduro. É nesse período que as crianças precisam aprender as habilidades motoras fundamentais que serão a base para o aprendizado de movimentos mais complexos e para o desenvolvimento do gosto e da disposição para praticar atividades físicas regularmente durante a sua vida.

É importante respeitar cada uma dessas fases. Não adianta exigir que a criança apresente habilidades relacionadas à coordenação motora fina, como o manuseio de um lápis para a escrita, por exemplo, antes que ela tenha trabalhado as habilidades de coordenação motora grossa. Visto que, os grandes grupos musculares se desenvolvem primeiro.

Quais são as atividades mais indicadas para crianças a partir de 2 anos?

Existem muitas possibilidades, dentre elas a ginástica artística, que desenvolve a consciência corporal de maneira completa.  Mas o importante é observar se a modalidade escolhida está sendo desenvolvida de maneira adequada. A criança precisa ser encorajada, precisa ser exposta a várias oportunidades de prática e com instrução de qualidade. Atendidos esses requisitos, a criança vai ter a possibilidade de desenvolver sua competência motora de forma satisfatória. Caso contrário, ela começa a se sentir insegura na hora de realizar atividades físicas, o que fará com que ela se exercite casa vez menos. A consequência e o sedentarismo e diversos problemas de saúde relacionados.

Existe alguma relação entre a atividade física e a capacidade de aprendizado?

Como vimos, estudos apontam que desde a barriga da mãe a atividade física é benéfica para o desenvolvimento cognitivo da criança. Isso se estende para todas as fases da vida. Existem hipóteses de que a atividade física promove uma reserva cognitiva, expandindo e fortalecendo as conexões neurais, que serão utilizadas para a adesão de novos conhecimentos. Especialistas também recomendam que atividades físicas sejam realizadas nos intervalos de rotinas de estudos para auxiliar o armazenamento das informações da memória de curto prazo para a de longo prazo.

Também sabemos que a prática regular de atividades físicas é uma excelente forma de prevenir o declínio cognitivo em pessoas idosas, além de retardar o aparecimento de doenças como a de Parkinson e o mal de Alzheimer.

Devemos incluir atividades físicas para as crianças nos intervalos dos estudos?

São os “Brain breaks”. Entre o estudo de uma disciplina e outra, é muito benéfico uma pausa de pelo menos 5 minutos com atividades físicas, para consolidar o aprendizado. Fazendo uma analogia, é como se a atividade física fosse a argamassa que fixasse os tijolos do conhecimento para a construção de um muro. Alternar momentos de foco com intervalos de atenção difusa é uma ótima estratégia para ajudar no armazenamento de informações na memória de longo prazo.

Quais são as atividades mais recomendadas para realizar nesses intervalos?

Existem estudos que mostram que atividades de coordenação são mais benéficas para o desenvolvimento cognitivo das crianças. Outros que mostram que as atividades que envolvem as funções executivas, como a memória de trabalho, são as mais indicadas. Também existem práticas de integração motora, que consistem em ensinar conteúdos escolares através da atividade física.

Vou deixar um exemplo de atividade de integração motora para os pais tentarem adaptar em casa. Lembrando que para ser considera uma atividade de integração motora, tanto o conteúdo escolar quanto a atividade física precisam ser relevantes para a criança.

Ex.1: Monte um círculo com números. Escolha uma operação matemática que a criança esteja estudando e fale pra ela qual será. Ao seu comando, a criança deve saltar com um pé no número indicado. Depois, com o outo pé, no segundo número. Após calcular a operação com os números, ela deve saltar com os dois pés no resultado que encontrou.

Também podemos trabalhar a memória de trabalho, para que elas armazenem comados e trabalhem com as informações.

Ex.2: Defina uma sequência de cores e um comando correspondente para cada uma. Por exemplo: azul para saltar, vermelho para fazer um rolamento e verde para deitar no chão. Também podemos utilizar nomes de animais para associar aos comandos e tornar a atividade mais divertida e atrativa para a criança.

Afinal, as crianças não praticam atividades por que sabem da importância, mas sim pelo prazer. Isso facilita a repetição, que é fundamental para que elas atinjam uma competência motora adequada.

Qual a frequência e o tempo recomendado para a prática de atividades físicas para cada idade?

Dos 5 aos 17 anos de idade, o recomendado é que as crianças e adolescentes acumulem 60 minutos diários de atividades físicas em intensidade moderada à vigorosa, estruturadas ou não. Para crianças abaixo de 5 anos de idade, a recomendação é de 3h de atividades diárias, podendo ser leves, moderadas ou vigorosas.

A partir de que idade é necessário que haja acompanhamento profissional?

A partir dos 2 anos, a criança já deve ter um direcionamento para a aquisição de sua competência motora. É importante frisar que brincar é importante, mas que é necessário instrução adequada, assim como no processo de alfabetização. Elas não aprendem sozinhas. O lúdico é eficaz para atrair e envolver as crianças no processo, mas é só a cereja do bolo.

O que fazer quando a criança não gosta de se exercitar?

Primeiro, precisamos entender quais são as principais motivações das crianças para a prática de atividades físicas. Elas querem se divertir, fazer amigos e aprender algo novo. Se a atividade não despertar o interesse da criança, ela vai desistir com facilidade. Esse interesse acontece em parte pela capacidade do professor em despertar o interesse e em parte pela identificação da criança com a modalidade.

Uma boa forma de ajudar os filhos é sendo exemplo. Pais que se exercitam com os filhos são o maior estímulo para o desenvolvimento do prazer pela prática.

Hello,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cadastre seu e-mail e receba com prioridade nossos conteúdos