Cristianismo

Quem somos e o que fomos chamados a fazer

Quem somos e o que fomos chamados a fazer

Cadastre seu e-mail e receba com prioridade nossos conteúdos

O que você quer ser quando crescer? Quando eu crescer… eu quero ser… Bom, não sei se você percebe o erro na pergunta, porém, é uma pergunta comum entre nós que já ouvimos isso na infância, ou na marca do gol, na adolescência, quando estávamos para fazer a escolha daquele que seria nosso curso e que, de alguma forma, na nossa visão, definiria nossa vida.

Não são poucos os que, neste caminho, entraram em crise, por perceberem que durante o curso universitário, ou mesmo no mercado de trabalho, por verem que não se tornariam aquilo que pensavam que seriam, mudaram de curso e profissão. Parece uma daquelas crises filosóficas, contudo, é uma crise de identidade.

A visão deste mundo define o ser por suas execuções e títulos e, de uns tempos pra cá, até evita qualquer tipo de rótulo ou definição. Se alguns ainda se definem como sendo “doutor fulano de tal”, “professor sicrano”, ou coisas do tipo, mais recentemente, a proposta é a não definição, a um “transbordar” para além dos rótulos, ou de um tipo de visão que transcenda o comum e que, portanto, se adeque ao que, de fato, penso que “sou”.

Qual o problema de tudo isso? A grande questão, é que, desde a Queda (Gênesis 3), o homem abriu mão de ser um ser definido, para um ser definidor. No entanto, sabemos que, por mais que se tente, ou se busque meios com a finalidade de obter essa definição de “ser”, qualquer tentativa à parte do definidor se torna frustrada.

Imagine que você crie algo, denomine este algo e correspondendo ao que é este algo, o ensine a funcionar por meio daquilo que, como criador, você pensou e seguindo as características próprias do algo criado, o coloque em funcionamento. Agora, imagine o algo pensado e criado se rebelando contra você e contra sua própria essência ou ser. Olhando por este prisma, nos parece uma coisa absurda e completamente tola, desnecessária.

Todavia, é exatamente por causa da Queda que nos vemos assim. A Queda apontava ao homem um caminho à parte de Deus, onde não mais o Criador seria o discernidor e definidor da verdade, mas o “eu” seria.

Seguindo essa visão rebelde, tentamos de todas as formas definir tudo que vemos com base nas nossas percepções da realidade. Daí, o conceito de “verdade relativa”, pois, nossas percepções não são absolutas, elas mudam de acordo com as circunstâncias, sentimentos e tudo mais. Contudo, existe uma verdade absoluta da qual fugimos e lutamos contra. É a realidade Bíblica de que não somos definidores, somos seres definidos por Deus.

A pergunta feita, no início, não deveria ser: “O que você quer ser?”, porquê já somos. Essa definição não partiu, não parte, nem nunca partirá de nós. Todo homem e mulher, são imagem de Deus, pois Deus os criou assim, definidos em essência, gênero e função. O que precisamos aprender, é separar “função” de “ser”. Esposo é função, mãe é função, médico é função,
professor é função, aluno é função. Tudo isso serve aos mandatos ordenados por Deus na criação, tem a ver com nossa funcionalidade no mundo de Deus, mas o “ser” foi definido antes por Deus. A redenção em Jesus tem como alvo último revelar a glória de Deus em pessoas que, por fé, foram atraídas a Ele por Jesus e que foram conformadas à imagem de Jesus (Rm 8:29).

Qual o impacto de tudo isso na minha vida? Creio que uma das grandes libertações que essa visão Bíblica me traz é a de que eu sou quem Deus diz que eu sou. Que eu não preciso lutar para me definir, nem preciso colocar esse fardo sobre meus filhos, alunos, ou quem quer que seja, me livra de viver uma vida tentando uma definição. Por outro lado, me leva a viver, em
paz, a função ou as funções, que Deus me deu de forma leve, servindo e executando as tarefas diárias sabendo para Quem estou fazendo e assim, glorificando a Deus com tudo que faço (1 Co 10:31).

O que você quer fazer quando crescer? Quais os talentos que Deus deu a você? Em que local você poderá, de acordo com suas aptidões, servir a Deus, aos homens e assim revelar a Imagem de Deus ao mundo? São estas as questões.

Deus abençoe você!
Leonardo Cavalcante

Hello,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cadastre seu e-mail e receba com prioridade nossos conteúdos