Educação

Toda pedagogia tem um "deus" como ponto de partida

Toda pedagogia tem um

Cadastre seu e-mail e receba com prioridade nossos conteúdos

A história denuncia que todo processo educacional é, em alguma medida, religioso. É o que Roy Clouser, por exemplo, vai defender no famigerado livro, “O mito da neutralidade religiosa”.

Todavia, esta definição não se dá pelo objeto a ser adorado, pois tanto elementos transcendentes, quanto objetos imanentes já serviram como tal. É que todo processo educacional tem um ponto de partida em torno do qual a realidade como um todo se organiza, isto é, o seu “deus”. Sobre isso, James K. A. Smith, no livro “Desejando o reino: culto, cosmovisão e formação cultural liturgias culturais” (Vol. 1, pag. 28) vai dizer com suas palavras: “Sugiro um axioma: por trás de toda pedagogia há uma antropologia filosófica.

Em termos mais simples, por trás de toda constelação de práticas educacionais há um conjunto de suposições sobre a natureza da pessoa humana – sobre o tipo de criatura que somos”. É nesse sentido que vale uma diferenciação categórica entre uma antropologia humanista e a cristã aplicada à educação.

Aquela é reducionista, pois observa a diversidade de aspectos da experiência humana e absolutiza um deles em detrimento dos demais, buscando explicar a complexidade da realidade a partir desse único ponto, valorizado pelo seu mentor. Esta leitura incompleta, fatalmente, incorrerá em erros.

A atividade do educador cristão, portanto, é corrigir estas distorções, entendendo que a identidade humana não se resume a um só aspecto isolado das suas relações, mas ele todo, conforme criado por Deus, mandato cultural e social, sem deixar de incluir o sensu divinitatis e a restauração do mandato espiritual.

Vê-se, portanto, que a própria compreensão de Deus tem impacto sobre a forma como ensinamos e aprendemos. Por exemplo, a correta percepção da doutrina da trindade nos ensina que o ensino cristão deve ser comunitário e participativo, além de pessoal e relacional, não se restringindo ao seu aspecto intelectual ou cognitivo.

Por todo o exposto, fica claro que o objetivo de uma educação cristã é remir os processos de ensino e aprendizagem, buscando a verdade revelada, de forma que não sejamos acusados dos mesmos pecados que os romanos, qual seja, adorar as coisas criadas no lugar do criador (Rm 1).

Andressa Toscano

Hello,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cadastre seu e-mail e receba com prioridade nossos conteúdos